DISLEXIA: uma forma diferente de compreender a realidade

A Dislexia ainda é um grande tabu para muitas pessoas, pois ainda acredita-se que é preguiça, falta de inteligência, má alfabetização ou até mesmo algo relacionado à condição econômica. Ao contrário, porém, a Dislexia é considerada um transtorno específico de aprendizagem relacionado às áreas de leitura, escrita e soletração e tem origem neurobiológica. Ela não tem cura, mas tem tratamento. O diagnóstico pode ser feito na infância, logo no início da alfabetização, sendo muito mais comum em meninos do que em meninas.

Alguns sinais característicos da Dislexia podem ser percebidos já na pré-escola, como dispersão, fraco desenvolvimento da atenção, atraso no desenvolvimento da fala e da linguagem, dificuldade de aprender rimas e canções, fraco desenvolvimento da coordenação motora, dificuldade com quebra-cabeças, falta de interesse por livros impressos, entre outros.

Outros sinais podem aparecer na idade escolar: dificuldade em executar tarefas diárias, demora no aprendizado da leitura e da escrita, escrita incorreta, com trocas, omissões, conexões e aglutinações, dificuldade com os sons das palavras, soletração e compreensão da sua leitura, dificuldade para organização sequencial e dificuldade em organizar-se com tempo, espaço e direção.Existem dois tipos de Dislexia: a de Desenvolvimento, que nasce com a pessoa e a Adquirida, também conhecida como Alexia e que pode ser fruto de algum trauma ou doença neurológica grave. Para ter um diagnóstico desse distúrbio deve-se contar com uma equipe multidisciplinar formada por Psicólogo, Fonoaudiólogo, Neurologista e Psicopedagogo Clínico.

A escola também tem um papel fundamental, principalmente nas atividades diárias em sala, que podem trazer ótimos resultados e auxiliar no tratamento. Ela pode ajudar apresentando um cronograma das atividades diárias, não expondo o disléxico e avaliando o conhecimento por métodos variados como atividades orais, desenhos ou outros tipos de expressões artísticas.

A família também é outro pilar de apoio e deve acompanhar o disléxico, pois   quanto mais ele sentir-se seguro mais eficaz torna-se o tratamento.O Colégio Ateneu apoia e reconhece a importância de informar e conscientizar sobre esse distúrbio. Por isso, realizou o evento Dislexia: trocando ideias, na 2ª Semana de Atenção À Dislexia, que ocorreu nos dias 14 a 20 de novembro de 2019.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *